A Fórmula Perfeita Para Montar o Melhor Recurso à JARI

Foi multado? Não fique sem dirigir! Descubra agora como não perder a CNH: Clique aqui para ter uma CONSULTA GRATUITA com o Doutor Multas.
montar recurso jari multa
A fórmula perfeita para montar o melhor recurso à JARI

Apresenta recurso à Jari o motorista ou proprietário de veículo que não concordou com uma multa de trânsito recebida.

Se você é daquelas pessoas que pensa que a possibilidade de interpor recurso à Jari existe apenas para assegurar o direito do cidadão à ampla defesa mas, na prática, o órgão nega todos os pedidos, precisa se informar melhor.

Ao contrário do que muitos pensam, não é impossível anular uma multa. O que acontece é que muitos recorrentes acabam tendo a sua defesa negada por inconsistência.

Se não há bons argumentos, condizentes com o que diz a lei, e nem provas, a tendência é, realmente, o recurso à Jari ser negado.

É por isso que a recomendação para quem não está familiarizado com o universo do Direito é contar com a ajuda de uma equipe especializada.

Ou, então, começar agora mesmo a se informar sobre a legislação de trânsito – que provavelmente é o seu objetivo por estar lendo esse texto.

Acertamos? Então, pare de se preocupar porque você está no lugar certo. Leia o artigo até o fim e descubra tudo sobre a Jari e o procedimento para recorrer contra uma multa de trânsito.

 

O Que é JARI?

recurso jari o que e
Julgar os recursos é apenas uma das competências da Jari

Jari é o acrônimo de Junta Administrativa de Recursos de Infrações. Basicamente, a Jari é um órgão colegiado responsável por julgar um recurso contra uma multa de trânsito na primeira instância.

É um dos órgãos que compõem o Sistema Nacional de Trânsito, de acordo com o artigo 7º do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Veja:

“Art. 7º Compõem o Sistema Nacional de Trânsito os seguintes órgãos e entidades:

(…)

VII – as Juntas Administrativas de Recursos de Infrações – JARI.”

No mesmo código, o artigo 16 determina que cada órgão executivo de trânsito ou rodoviário deve possuir uma Jari:

“Art. 16. Junto a cada órgão ou entidade executivos de trânsito ou rodoviário funcionarão Juntas Administrativas de Recursos de Infrações – JARI, órgãos colegiados responsáveis pelo julgamento dos recursos interpostos contra penalidades por eles impostas.

Parágrafo único. As JARI têm regimento próprio, observado o disposto no inciso VI do art. 12, e apoio administrativo e financeiro do órgão ou entidade junto ao qual funcionem.”

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran), no item 2.4 do anexo da Resolução Nº 357/2010, que dá as diretrizes para a elaboração do regimento interno das Jari, é mais específico:

“2.4. As JARI funcionarão junto:

2.4.a. aos órgãos e entidades executivos rodoviários da União e à Polícia Rodoviária Federal;

2.4.b. aos órgãos e entidades executivos de trânsito ou rodoviários dos Estados e do Distrito Federal;

2.4.c. aos órgãos e entidades executivos de trânsito ou rodoviários dos Municípios.”

O que isso tudo quer dizer é que cada órgão que tem a competência para aplicar multas deve possuir uma Jari para julgar os recursos.

Sobre a sua composição, as orientações constam no mesmo anexo da mesma resolução, no item 4. Confira:

“4. Da Composição das JARI

4.1. A JARI, órgão colegiado, terá, no mínimo, três integrantes, obedecendo-se aos seguintes critérios para a sua composição:

4.1.a. um integrante com conhecimento na área de trânsito com, no mínimo, nível médio de escolaridade;

(…)

4.1.a.2. representante servidor do órgão ou entidade que impôs a penalidade;

4.1.b. representante de entidade representativa da sociedade ligada à área de trânsito;

(…)

4.1.b.2. o presidente poderá ser qualquer um dos integrantes do colegiado, a critério da autoridade competente para designá-los”

Voltando ao CTB, o artigo 17 fala sobre quais as competências da Jari. Além de julgar os recursos, há outras duas. Confira:

“Art. 17. Compete às JARI:

I – julgar os recursos interpostos pelos infratores;

II – solicitar aos órgãos e entidades executivos de trânsito e executivos rodoviários informações complementares relativas aos recursos, objetivando uma melhor análise da situação recorrida;

III – encaminhar aos órgãos e entidades executivos de trânsito e executivos rodoviários informações sobre problemas observados nas autuações e apontados em recursos, e que se repitam sistematicamente.”

A competência descrita no inciso II, é claro, é para tornar o julgamento, preciso no inciso I, o mais correto possível.

Quanto à competência do inciso III, trata-se da previsão de uma ação proativa por parte da junta.

Afinal, encontrar erros cometidos pelos agentes de trânsito ao lavrar o auto de infração é muito comum.

Ao encaminhar aos órgãos informações sobre esses erros, oa Jari contribui para qualificar o trabalho dos autuadores.

Mas para nós, motoristas, o que interessa é a responsabilidade de julgar os recursos, e é isso que vamos começar a detalhar a partir de agora.

Recurso à JARI

recurso jari como funciona
Entenda abaixo como recorrer de multa na Jari

Na definição do site DireitoNet, recurso é “o instrumento utilizado pela parte vencida ou por terceiro prejudicado para provocar o reexame de uma decisão, a fim de que se promova a sua reforma, invalidação, integração ou simples esclarecimento”.

Repare nesse trecho da definição: “reexame de uma decisão”.

No caso de uma multa de trânsito, trata-se de um processo administrativo do órgão autuador contra um motorista ou proprietário de veículo.

Esse processo inicia quando um agente de trânsito lavra um auto de infração, o documento em que são registrados os fatos observados e proposto o enquadramento da conduta do suposto infrator segundo algum artigo do Código de Trânsito.

Esse auto de infração pode ou não se transformar em uma multa. Antes disso, o condutor tem a possibilidade de apresentar uma defesa prévia, justificando por que a penalidade não deve ser aplicada.

Caso não seja apresentada defesa prévia ou o órgão autuador rejeite-a, o auto de infração dá origem à multa.

É exatamente dessa decisão, de impor a penalidade a partir do auto de infração, que o recorrente solicita o reexame, pedindo a invalidação da multa.

Considerando as possibilidades de argumentação de quem foi multado, não existe diferença entre a defesa prévia e o recurso.

É claro que um não precisa ser igual ao outro – ao recorrer, é possível repensar o caso e agregar diferentes argumentos.

Administrativamente, o que distingue uma coisa da outra são os fatos que acabamos de explicar: a defesa é interposta quando a multa não foi imposta, o recurso depois da decisão do órgão de trânsito de aplicá-la.

Além, é claro, do fato de que a defesa prévia é avaliada apenas por servidores do órgão autuador, enquanto o recurso é julgado pela Jari.

Como Funciona

Quando um motorista é autuado, é enviada ao endereço do proprietário do veículo uma notificação de autuação.

Esse é o documento que contém um formulário em que é possível indicar o verdadeiro infrator, caso a multa tenha sido sem abordagem (por um radar, por exemplo) e não tenha sido o motorista quem dirigia o veículo no momento.

Além desse formulário, a notificação de autuação informa o proprietário sobre o prazo que ele tem para apresentar a defesa prévia.

Segundo a Resolução Nº 619/2016 do Contran, esse prazo não será inferior a 15 dias contados da data da notificação.

Como explicamos anteriormente, a multa é aplicada apenas se a defesa for recusada ou não for apresentada.

Nesse caso, é expedida outra notificação, dessa vez comunicando a imposição da penalidade. É a partir daí que é possível enviar recurso à Jari.

Diferentemente da notificação da autuação, essa não possui o formulário para indicar o condutor, mas em vez disso um código de barras para o pagamento da multa.

Apesar de o vencimento da multa ser a mesma data limite para a apresentação do recurso à Jari, o motorista pode optar por primeiro aguardar a decisão da Jari, recorrendo sem pagá-la.

Por outro lado, se decidir quitar o débito antes do vencimento, pagará somente 80% do valor da multa.

Isso não o impede de apresentar recurso à Jari. Caso os argumentos sejam aceitos e a multa cancelada, os valores pagos são devolvidos ao motorista.

O Que Diz a Lei

Antes de explicar o que a lei diz especificamente sobre o recurso à Jari, convém lembrar que, acima de tudo, essa é uma garantia constitucional.

Ou seja, os órgãos de trânsito não fazem nenhum favor ao possibilitar o recurso à Jari, mas sim seguem o que determina a lei maior do nosso país: a Constituição Federal. Veja o que diz o seu inciso LV:

“LV – aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes;”

Como a multa de trânsito se trata de um processo administrativo, trata-se de um caso em que esse trecho da Constituição está contemplado.

A partir daí, encontramos no artigo 282 do Código de Trânsito, em seu parágrafo 4º, a menção à possibilidade de apresentar recurso e uma regra importante que o recorrente deve respeitar:

“Art. 282. Aplicada a penalidade, será expedida notificação ao proprietário do veículo ou ao infrator, por remessa postal ou por qualquer outro meio tecnológico hábil, que assegure a ciência da imposição da penalidade.

(…)

§ 4º Da notificação deverá constar a data do término do prazo para apresentação de recurso pelo responsável pela infração, que não será inferior a trinta dias contados da data da notificação da penalidade.”

Veja que, assim como na notificação de autuação o órgão estabelece um prazo para o responsável pela infração se defender, após a imposição da penalidade acontece o mesmo. Dessa vez, porém, esse prazo não pode ser inferior a 30 dias.

Seguindo, o artigo 285 do CTB determina que o recurso é apresentado ao órgão autuador, que, por sua vez, o encaminha à Jari:

“Art. 285. O recurso previsto no art. 283 será interposto perante a autoridade que impôs a penalidade, a qual remetê-lo-á à JARI, que deverá julgá-lo em até trinta dias.”

Ao passar antes pelo órgão autuador, este poderá, segundo o parágrafo 2º do artigo 285, assinalar que, no seu entendimento, o recurso é intempestivo – ou seja, que foi apresentado fora do prazo legal.

 

Como Montar Seu Recurso à JARI

como fazer recurso jari
Planejamento e argumentação são os segredos

Muita gente não faz ideia de como começar a escrever um recurso à Jari. O problema é quando essa dificuldade se restringe ao formato, à saudação inicial e a outros detalhes.

No direito, essas questões importam cada vez menos. Não é necessário termos pomposos e uma redação em “juridiquês”.

Por outro lado, a clareza e a correção na interpretação da norma jurídica continuam sendo essenciais.

De qualquer maneira, o formato do recurso à Jari pode ser como uma correspondência ou, então, como um formulário.

O Departamento Estadual do Rio de Janeiro (Detran RJ), por exemplo, disponibiliza um modelo de recurso à Jari em seu site.

Acesse, aqui, o documento em PDF. Basta simplesmente preencher a primeira parte com os seus dados pessoais e, depois, com o número do auto de infração e a justificativa, ou seja, por que, na sua visão, a multa deve ser cancelada.

Se você mora em outra unidade federativa, pode pegar o mesmo documento e apagar o brasão do Rio de Janeiro, ou procurar um modelo de recurso no site do Detran de seu estado.

Também pode escrevê-lo no formato de correspondência. Veja um exemplo abaixo:

Ilustríssimo senhor Presidente da Jari do … (órgão responsável pela autuação) do município de … no estado de ….

… (Nome), … (nacionalidade), … (estado civil), portador do CPF … (número), do RG … (número) e da CNH … (número), residente em … (cidade e endereço), proprietário do veículo … (modelo, placa e número do Renavam do veículo), vem interpor recurso contra a aplicação de penalidade de infração … (número da notificação), solicitando a sua anulação pelos seguintes motivos:

… (apresentar os argumentos da defesa)

No aguardo do deferimento,

… (assinatura)

… (local e data)

Como já dissemos, esse formato pouco importa, mas é uma base para você começar. A partir daí, basta trabalhar na justificativa.

Veja que, nesse exemplo de modelo, não inserimos os argumentos da defesa, que é a parte realmente importante do recurso à Jari.

Isso porque eles devem respeitar as particularidades de cada situação. Então, se você encontrar na internet um modelo de recurso, ignore a parte da argumentação e desenvolva-a por conta própria. Mais adiante, daremos dicas e exemplos sobre isso.

Passo a Passo

Se você deseja interpor recurso à Jari para cancelar uma multa de trânsito, aguarde receber a notificação de imposição da penalidade. Então, siga os seguintes passos:

  1. Analise o auto de infração

Nas notificações devem constar os dados que o agente registrou ao lavrar o auto de infração. Veja se não há nenhum tipo de erro – esse pode ser um argumento para invalidar a penalidade;

  1. Exponha seus argumentos

Estude a legislação que trata da infração que você supostamente cometeu e, a partir disso e do relato do agente no auto de infração, construa a sua argumentação;

  1. Junte a documentação

Na notificação de imposição da penalidade, além do prazo para a apresentação do recurso à Jari, constará a documentação que deve ser anexada a ele;

  1. Anexe provas

Se você tiver qualquer tipo de documento que comprove a sua alegação, como uma foto do local da infração, por exemplo, inclua ela no recurso;

  1. Entregue o recurso

Não perca o prazo e apresente o recurso no endereço indicado na notificação de imposição da penalidade.

 

Prazo Para Julgamento

recurso jari prazo
O prazo de julgamento é de 30 dias

Se você prestou atenção no que falamos até aqui, reparou que o artigo 285 do CTB estabelece o prazo de até 30 dias para julgar o recurso. Veja novamente:

“Art. 285. O recurso previsto no art. 283 será interposto perante a autoridade que impôs a penalidade, a qual remetê-lo-á à JARI, que deverá julgá-lo em até trinta dias.”

Quanto ao julgamento da defesa prévia, nem o CTB e nem as resoluções do Contran determinam um prazo para que o órgão de trânsito a julgue.

Por isso, o tempo entre a autuação e a imposição da penalidade vai depender da agilidade do órgão de trânsito responsável pela multa.

Vale observar que, se decorrerem cinco anos desde a data da infração e a multa não tiver sido aplicada ainda, prescreve a ação punitiva do poder público, de acordo com o que está disposto na Lei Nº 9.873/1999.

Outro detalhe importante quanto aos prazos é que a notificação da autuação deve ser expedida no máximo 30 dias após a data da infração.

Caso contrário, segundo o artigo 281 do CTB, o auto de infração deve ser arquivado e o seu registro julgado insubsistente. Observe isso também na hora de entrar com defesa prévia e recurso.

 

E Se o Prazo Expirar?

O que acontece quando os 30 dias passaram e a Jari não julgou ainda o recurso? A resposta está no parágrafo 3º do artigo 285:

“§ 3º Se, por motivo de força maior, o recurso não for julgado dentro do prazo previsto neste artigo, a autoridade que impôs a penalidade, de ofício, ou por solicitação do recorrente, poderá conceder-lhe efeito suspensivo.”

Veja que o trecho não fala em anulação da multa, mas sim em efeito suspensivo. Ou seja, que as consequências (pagamento dos valores e pontos na habilitação) não são aplicadas até o julgamento.

Na prática, a única grande diferença é que o motorista seguirá com 20% de desconto na multa caso não a tenha pago ainda.

No entanto, já houve decisões na Justiça de multas anuladas por conta de o recurso à Jari não ter sido julgado nesse prazo.

Afinal, o artigo 285 diz que o órgão “deverá julgá-lo em até trinta dias”. Se não há consequências significativas quando essa regra não é respeitada, por que ela existe?

 

Como Ter a Defesa de Multa de Trânsito Aceita

recurso jari defesa aceita
Confira abaixo um exemplo prático de argumentos que podem ser utilizados

Como ressaltamos no início do texto, é um equívoco pensar que obter a anulação de uma multa apresentando recurso é impossível.

Basta fazer o que temos sugerido aqui: procurar alguma maneira de provar a sua alegação ou então, contra-argumentar a interpretação do órgão autuador citando a lei.

Por exemplo, se a infração cometida ocorre por desrespeito a uma regra estabelecida por uma placa de sinalização e ela não estiver perfeitamente visível, devem ser anexadas fotos do local ao recurso e ser citado o parágrafo 1º do artigo 80 do CTB:

“§ 1º A sinalização será colocada em posição e condições que a tornem perfeitamente visível e legível durante o dia e a noite, em distância compatível com a segurança do trânsito, conforme normas e especificações do CONTRAN.”

Esse é apenas um exemplo. Outras tantas infrações são regulamentadas por resoluções do Contran, que também devem ser estudadas para compor o recurso à Jari.

 

O Que Fazer Em Caso de Recurso à Jari Negado

Caso o recurso à Jari seja negado, o motorista pode exercer o direito ao duplo grau de jurisdição. Ou seja, ele tem mais uma instância para recorrer.

Segundo o artigo 289 do CTB, nessa fase o recurso é julgado pelo Conselho Estadual de Trânsito (Cetran). Isso caso a multa tenha sido aplicada por órgão estadual ou municipal.

No caso de multa aplicada por órgão federal, o recurso será julgado por:

“a) em caso de suspensão do direito de dirigir por mais de seis meses, cassação do documento de habilitação ou penalidade por infrações gravíssimas, pelo CONTRAN;

b) nos demais casos, por colegiado especial integrado pelo Coordenador-Geral da JARI, pelo Presidente da Junta que apreciou o recurso e por mais um Presidente de Junta;”

 

Conclusão

recurso jari multa anulada
A tranquilidade de ter o apoio de uma equipe especializada não tem preço!

Se você não concorda com uma multa que recebeu, não pense duas vezes e comece a preparar o recurso à Jari.

Aliás, pense duas vezes, sim. Ou até três. Pense o máximo possível para preparar um recurso bastante embasado e aumentar as chances de vitória.

Defesas escritas no impulso, sem que o recorrente procure se informar sobre os meandros da legislação de trânsito, têm menos chances de serem aceitas.

Então, vá atrás do que diz o CTB, o Contran e outros textos legais sobre a situação que motivou a autuação.

E se a Jari não aceitar a defesa, isso não quer dizer que a causa está perdida. Lembre-se que você tem mais uma instância para recorrer. Aproveite.

Não sabe por onde começar? É para isso que estamos aqui. Entre em contato conosco e responderemos o quanto antes com uma análise gratuita do seu caso.

Nossa equipe especializada já conseguiu anular milhares de multas com defesas prévias e recursos à Jari.

Se você ainda tem dúvidas sobre como recorrer, deixe um comentário abaixo.

Foi multado? Não fique sem dirigir! Descubra agora como não perder a CNH: Clique aqui para ter uma CONSULTA GRATUITA com o Doutor Multas.