A Ultrapassagem Nas Pontes E Viadutos É Permitida?

Não, é proibido ultrapassar em pontes, viadutos e túneis em vias de sentido duplo para garantir a segurança dos motoristas e pedestres, uma vez que essa manobra representa um alto risco devido à ausência de acostamento nessas áreas.

Leia mais

A exceção só ocorre quando houver sinalização permitindo.

Leia mais

Esta infração está presente no artigo. 203, III, do Código de Trânsito Brasileiro

Leia mais

Art. 203. Ultrapassar pela contramão outro veículo: (...)

Leia mais

II - nas pontes, viadutos ou túneis;

Leia mais

 E a conduta para esta conduta se encontra no artigo 32 do CTB:

Leia mais

Art. 32. O condutor não poderá ultrapassar veículos em vias com duplo sentido de direção e pista única, nos trechos em curvas e em aclives sem visibilidade suficiente, nas passagens de nível, nas pontes e viadutos e nas travessias de pedestres, exceto quando houver sinalização permitindo a ultrapassagem.

Leia mais

Qual o valor da multa por ultrapassar em cima da ponte?

A infração é considerada gravíssima e o valor da multa é multiplicado por cinco (fator multiplicador) o que corresponde R$ 293,47 X 5 = R$ 1.467,35.

Leia mais

Em caso de reincidência no período de doze meses, o valor dobra, atingindo: R$ 2.934,70.

Leia mais

O que é a ultrapassagem

A ultrapassagem é a ação de se posicionar à frente de um veículo em movimento no mesmo sentido, que está se deslocando mais devagar e ocupando a mesma faixa de tráfego.

Leia mais

Para realizar essa manobra, é necessário sair e retornar à faixa de origem, conforme estabelecido pelo Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

Como recorrer da infração de ultrapassagem em pontes e viadutos?

O art. 32 estabelece que a ultrapassagem é permitida apenas quando há uma sinalização específica autorizando-a. Portanto, se houver essa sinalização e ainda assim ocorrer uma autuação, é possível anular a multa por meio de um recurso administrativo.

Leia mais

Outro fator de anulação da multa é a presença de erros formais. Os erros formais são erros de preenchimento obrigatório que podem estar vazios ou preenchidos incorretamente. Nesses casos, por mais que o condutor tenha efetivamente cometido a infração, a penalidade não pode ser aplicada.

Leia mais

Além disso, os agentes de trânsito podem interpretar a lei erroneamente, usando certas subjetividades que fogem à interpretação adequada das leis.

Leia mais

Por isso, um recurso de multa deve conter embasamentos técnicos, legais e circunstanciais para o cancelamento da penalidade.

Leia mais

Passo a passo para recorrer

Notificação da multa: Após ser autuado, o proprietário do veículo receberá a notificação da multa, que deve conter informações sobre o motivo da autuação, o valor da multa e os prazos para apresentar recurso.

Leia mais

Defesa prévia: O primeiro passo para recorrer é apresentar a defesa prévia. Nessa etapa, o condutor pode contestar a autuação, alegando erros formais ou inconsistências na infração. A defesa prévia deve ser enviada ao órgão de trânsito responsável dentro do prazo estipulado na notificação.

Leia mais

Julgamento da defesa prévia: Após receber a defesa prévia, o órgão de trânsito irá analisá-la e decidir se a multa será mantida ou cancelada. Caso a defesa seja negada, o proprietário do veículo receberá uma notificação de imposição da penalidade, informando os prazos para recorrer em segunda instância.

Leia mais

Recurso em segunda instância (JARI): Caso a defesa prévia seja negada, o proprietário do veículo pode recorrer em segunda instância, que é a Junta Administrativa de Recursos de Infrações (JARI). O recurso deve ser enviado à JARI dentro do prazo estabelecido na notificação de imposição da penalidade. É importante apresentar argumentos consistentes e fundamentados para aumentar as chances de sucesso.

Leia mais

Julgamento do recurso pela JARI: A JARI irá analisar o recurso apresentado e decidir se a multa será mantida ou cancelada. Caso a JARI negue o recurso, será enviada uma notificação de imposição da penalidade novamente, informando os prazos para recorrer em terceira instância.

Leia mais

Recurso em terceira instância (CETRAN/CONTRAN): Se o recurso for negado pela JARI, é possível recorrer em terceira instância, que é o Conselho Estadual de Trânsito (CETRAN) ou o Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN). O recurso deve ser enviado ao órgão competente dentro do prazo estabelecido na notificação de imposição da penalidade. Nessa fase, é recomendável contar com o auxílio de um advogado especializado em direito de trânsito.

Leia mais

Decisão final: O CETRAN ou o CONTRAN irá analisar o recurso e tomar uma decisão final, que pode manter a multa ou cancelá-la. A decisão do CETRAN ou do CONTRAN é definitiva, não cabendo mais recursos administrativos.

Leia mais

Caso todas as instâncias administrativas sejam esgotadas sem sucesso, ainda é possível recorrer à via judicial, buscando a anulação da multa por meio de uma ação judicial específica. Nesse caso, é fundamental contar com a assistência de um advogado especializado em direito de trânsito.

Leia mais

Gostou deste story?

Aproveite para compartilhar clicando no botão acima!

Esta página foi gerada pelo plugin

Visite nosso site e veja todos os outros artigos disponíveis!

Doutor Multas