Aprenda Como Fazer Retorno, Conversão e Estacionamento em Segurança

Completar 18 anos pode significar mudança de vida, pois, com a maioridade, uma série de responsabilidades começa a surgir.

Aos 18 anos você pode começar a adquirir liberdades que até então não tinha. Você adquire, segundo a lei, capacidade plena.

Dentre as liberdades está uma das mais almejadas: conquistar a primeira habilitação.

Com a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) em mãos, é comum que surja uma sensação de liberdade e independência que o jovem ainda não havia experimentado.

Pode parecer bobagem, mas a liberdade de ir e vir, em quatro rodas, pode significar muito na vida das pessoas – inclusive oportunidades de emprego, direta ou indiretamente.

Mas, antes de chegar nesse nível, é preciso passar por todo o processo que envolve o curso de formação de condutores, disponibilizado no CFC de sua escolha: exames médicos, aulas teóricas (com posterior prova), simulador (para a categoria B) aulas práticas e, finalmente, a temível prova de direção.

Mas e depois disso? Ainda que aprovado, será que o condutor encara o trânsito frenético das cidades com a mesma segurança com que dirigia um carro da autoescola, ao lado do instrutor?

Se você é um condutor recém-habilitado e ainda está inseguro com as próprias habilidades no trânsito, não se preocupe, pois é extremamente comum.

E foi pensando nisso que eu resolvi escrever este artigo.

Aqui, você encontrará dicas de como proceder na direção defensiva do dia-a-dia, levando em consideração que, a partir de agora, não há um instrutor ao seu lado para orientá-lo.

Para isso, irei abordar as melhores formas de você realizar manobras como retorno, conversões e estacionamento, a fim de que sua direção seja mais segura e menos tensa.

Tudo isso será amparado pelos pressupostos mais importantes da Lei expostos no nosso Código de Trânsito.

Portanto, siga a leitura e descubra que dirigir, na verdade, não é uma tarefa tão complicada quanto parece.

Sete Dicas Que Irão Ajudá-lo a Ter Mais Segurança na Direção

Sentir-se seguro na direção é o primeiro passo para tornar-se um bom motorista
Sentir-se seguro na direção é o primeiro passo para tornar-se um bom motorista

Terminar o curso de direção e ser aprovado em todas as etapas não significa que você esteja realmente seguro para dirigir.

Não quero dizer que você não saiba, mas o contexto do dia-a-dia do trânsito pode ser diferente das situações de aula.

Conforme estabelece o Conselho Regional de Trânsito (CONTRAN), em sua Resolução Nº 543, o candidato à primeira habilitação deve cumprir pelo menos 20 horas/aula de prática e mais 5 horas no simulador (categoria B).

Para quem já dirigia, embora essa prática seja extremamente perigosa, pode até parecer muito tempo de aula.

Mas, para quem nunca havia dirigido, o tempo pode não ser suficiente para adquirir a segurança necessária para um bom desempenho no trânsito.

Isso, de fato, só se aprende na prática.

Por isso, a primeira e mais importante dica é: não tenha medo. Manter a tranquilidade e confiar no seu potencial são atitudes extremamente necessárias para um bom desempenho no trânsito.

No entanto, como se adquire isso? Aliadas à prática, existem algumas dicas que podem ajudar muito nesse processo.

Separei algumas dessas dicas para explicar a você, neste tópico. É importante que você as compreenda antes de partir para as dicas mais práticas, como as manobras de retorno, por exemplo – do que tratarei na sequência do texto.

As dicas que darei a partir de agora fazem parte das premissas da direção defensiva, a qual objetiva diminuir os acidentes e suas consequências no trânsito.

Com elas você se sentirá, em primeiro lugar, seguro dentro do próprio veículo e, consequentemente, seguro na direção.

 

Dica nº 1: Não Descuide da Manutenção Periódica do Seu Veículo

A primeira dica para você se sentir confiante dentro do próprio carro não poderia ser outra: você precisa ter a certeza de que ele está em boas condições para trafegar.

Para isso, é imprescindível que seja feita, periodicamente, manutenção preventiva no veículo.

Na manutenção, o mecânico irá averiguar as condições de todos os mecanismos para o perfeito funcionamento do carro.

Nesse caso, é importante estar atento ao nível do óleo, do combustível, da água, trocar as palhetas dos limpadores (quando necessário) e atestar a perfeita funcionalidade dos faróis, assim como dos pneus e rodas, da suspensão, da direção e dos freios.

 

Dica nº 2: Posicione Corretamente Seu Corpo no Veículo

Encontrar a posição ideal para dirigir, que seja confortável e, ao mesmo tempo, promova movimentos ágeis do corpo, é fundamental para começar a sentir segurança no carro.

Isso porque uma das premissas da direção defensiva é que o motorista seja capaz de prever situações de risco, conduzindo o veículo de forma a evitá-las.

A posição ideal do corpo no acento do carro consiste em ficar com os braços e pernas ligeiramente dobrados e as costas apoiadas no encosto, o que compõe um ângulo próximo aos 90 graus.

Sentado dessa forma, você precisa ajustar os espelhos para ter uma clara visão de todos os lados do veículo.

Para ter certeza de que a posição é a ideal, estique os braços até o volante do carro. Os pulsos precisam tocar a parte alta do volante sem dificuldade.

Se isso não acontecer, será necessário ajustar o banco mais para frente. Assim, você evita sobrecarga na coluna e proporciona mais agilidade nas manobras.

 

Dica nº 3: Tenha Por Hábito Utilizar o Cinto de Segurança

Embora não seja novidade para ninguém, muitas pessoas ainda não utilizam o cinto de segurança.

Essa prática é mais comum em cidades pequenas, que não costumam contar com a presença constante de agentes de trânsito pelas ruas. Por isso, muitos motoristas tendem a “esquecer” esse item primordial de segurança.

O mesmo acontece com frequência nas estradas.

Conforme aponta um levantamento realizado pelo Estadão, em 2017, a Polícia Rodoviária Federal registrou 3.588 acidentes que envolviam pessoas sem cinto, o que resultou em 132 mortes.

Além do risco de sofrer graves acidentes, a utilização do cinto de segurança, para condutores e passageiros, é obrigatória, conforme aponta o artigo 65 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Caso você seja pego sem o cinto por algum fiscal, será autuado conforme o artigo 167 do CTB.

Trata-se de uma infração de natureza grave que prevê multa como penalidade, nesse caso, de R$ 195, 23. Há, ainda, a medida administrativa de retenção do veículo até que o infrator coloque o cinto.

 

Dica nº 4: Esteja Por Dentro das Leis de Trânsito

Desconhecer ou desconsiderar as normas de trânsito ocasiona uma série de problemas ao condutor.

Em primeiro lugar, ele não se sentirá seguro na direção, visto que não saberá se comportar em determinadas situações, principalmente em relação ao cometimento de infrações.

Além disso, saber como agir na direção, dentro das regras de trânsito, é a melhor forma de prevenir acidentes.

Isso envolve respeitar as placas, as sinalizações das vias e as normas de conduta imprescindíveis aos motoristas.

A sinalização do veículo, por exemplo, deve ser utilizada sempre que o motorista realizar uma conversão, estacionar ou mudar de pista. Já imaginou que bagunça seria o trânsito se essa norma básica não fosse respeitada?

A questão é que todos os condutores conhecem essas regras – até porque, para tirar a CNH, é preciso segui-las –, mas, por algum motivo, nem todos aplicam esses ensinamentos no trânsito.

Mudar essa concepção e adquirir mais responsabilidade é o primeiro passo para a construção de um trânsito mais seguro.

 

Dica nº 5: Conheça Seu Carro

Quando dirigimos um carro diferente do que estamos acostumados, por exemplo, bate aquela insegurança, não é?

Nada é mais confortável do que saber com o que se está lidando.

Por isso, entender o funcionamento e os limites do seu veículo é primordial para saber como agir em relação a ele.

Ele é potente? Tem força e estabilidade para realizar determinadas ultrapassagens? Esses detalhes precisam ser considerados em qualquer situação, visto que é o condutor que precisa “dominar a máquina”, e não o contrário.

Conhecendo o próprio carro, você também consegue notar as pequenas alterações em seu funcionamento, identificando, de imediato, a necessidade de reparos.

 

Dica nº 6: Nunca Dirija Com Sono

Sono e volante é uma combinação extremamente perigosa. O sono torna nossos reflexos mais lentos e é tão perigoso quanto dirigir sob o efeito de álcool.

Para você ter uma ideia, um estudo realizado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) apontou que, após 19 horas sem dormir, os reflexos do condutor ficam tão comprometidos quanto após a ingestão de grande quantidade de bebidas alcoólicas.

Por menor que seja a distração provocada pelas piscadas mais longas, graves acidentes podem ser cometidos em frações de segundo, portanto, jamais dirija se estiver nessas condições.

A Academia Brasileira de Neurologia (ABN) definiu que dirigir com sono é a segunda maior causa de acidentes automobilísticos do país.

Portanto, se estiver passando por essa situação, a melhor saída é parar o carro em um local seguro e descansar.

Não insista e não pense que uma xícara de café será a solução.

Caso você esteja na carona com alguém que esteja demonstrando sonolência, fique atento: conforme o CTB, em seu artigo 166, “confiar ou entregar a direção de veículo a pessoa que, mesmo habilitada, por seu estado físico ou psíquico, não estiver em condições de dirigi-lo com segurança” é uma infração gravíssima cuja penalidade é multa (R$ 293,47).

 

Dica nº 7: Nunca Beba Antes de Dirigir

Em hipótese alguma beba antes de dirigir
Em hipótese alguma beba antes de dirigir

Alertar para os riscos de álcool e direção parece o mesmo que “chover no molhado”, não é mesmo?

Infelizmente, embora não seja novidade para ninguém, ainda são muito altos os índices de acidentes que envolvem essa perigosa combinação.

Portanto, vale sempre o alerta. E lembre: além de perigoso, esse ato também é considerado crime, conforme as determinações do artigo 306 do CTB:

“Art. 306. Conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa que determine dependência:

Penas – detenção, de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.”

 

 

As Manobras Mais Praticadas no Trânsito: Veja Como Executá-las com Destreza

As manobras mais praticadas podem ser mais simples do que parecem
As manobras mais praticadas podem ser mais simples do que parecem

O medo de errar, o pânico de, por alguns segundos, parar o trânsito e ouvir buzina dos outros carros faz com que muitos condutores tenham medo de dirigir – principalmente, os mais inexperientes.

Agora que você já leu algumas dicas que podem ajudar a deixar o condutor mais seguro no volante, é hora de partir para a ação.

Afinal, nada pode deixar um motorista mais seguro do que confiar em si próprio, não é mesmo?

Essa confiança, no entanto, demanda tempo e, claro, prática.

Mas, como tudo começa com a teoria, vou explicar o passo a passo para a realização das principais manobras praticadas no trânsito.

Dentre essas manobras você verá: estacionamento entre dois veículos, conversão e retorno.

Para começar, vou tratar de uma manobra que parece simples, mas que deixa muitos condutores recém-habilitados inseguros: o retorno.

Se esse também é um problema para você, acompanhe o próximo tópico e entenda como fazer o retorno em segurança.

 

1 – Retorno

A forma ideal de realizar o retorno, assim como qualquer outra manobra de trânsito, é aquela que aprendemos com os instrutores da autoescola.

O que acontece é que, nas situações do dia-a-dia, não são todos que seguem à risca aquilo que aprenderam nas aulas prática de direção.

O retorno, por exemplo, embora seja um movimento simples, requer muito cuidado do condutor.

Isso porque ele implica em uma inversão total de sentido da direção original dos veículos, conforme aponta o CTB.

Na autoescola, o retorno de três pontos é uma das etapas obrigatórias do exame prático.

Trata-se de uma manobra realizada em três passos diferentes, com a finalidade de virar o sentido da direção em 180 graus, especialmente em espaços estreitos ou em ruas sem saída.

Nesse caso, especificamente, não é qualquer local que permite esse movimento.

É o que informa o artigo 39 do CTB:

“Art. 39. Nas vias urbanas, a operação de retorno deverá ser feita nos locais para isto determinados, quer por meio de sinalização, quer pela existência de locais apropriados, ou, ainda, em outros locais que ofereçam condições de segurança e fluidez, observadas as características da via, do veículo, das condições meteorológicas e da movimentação de pedestres e ciclistas.”

Se a via permitir essa manobra, você pode realizar o retorno de 3 pontos da seguinte forma: primeiramente, sinalize a manobra à esquerda a ser realizada; depois, vá até o meio da pista e pare o veículo, virando o volante todo para o lado esquerdo.

Em seguida, aproxime-se do meio fio da calçada, atentando para não encostar ou subir no cordão e nem utilizar espaços de entrada de garagem.

Depois, com atenção, engate a marcha ré e volte ao sentido contrário pelo qual estava vindo.

É preciso estar atento ao retorno realizado em avenidas (ruas com canteiro no meio), também.

Procure posicionar o carro mais próximo do meio fio da faixa da esquerda. Ao passar para o cruzamento, realize a manobra em L, e não de forma fechada, pois, dessa maneira, você não irá atrapalhar o trânsito invadindo a pista contrária a sua.

Seguindo esses passos, certamente você não terá problemas em realizar qualquer tipo de retorno.

 

2 – Conversão

É o artigo 38 do CTB que aborda a forma correta de realizar a conversão (à direita e à esquerda). Veja o que ele diz:

Art. 38. Antes de entrar à direita ou à esquerda, em outra via ou em lotes lindeiros, o condutor deverá:

 I – ao sair da via pelo lado direito, aproximar-se o máximo possível do bordo direito da pista e executar sua manobra no menor espaço possível;

 II – ao sair da via pelo lado esquerdo, aproximar-se o máximo possível de seu eixo ou da linha divisória da pista, quando houver, caso se trate de uma pista com circulação nos dois sentidos, ou do bordo esquerdo, tratando-se de uma pista de um só sentido.

Parágrafo único. Durante a manobra de mudança de direção, o condutor deverá ceder passagem aos pedestres e ciclistas, aos veículos que transitem em sentido contrário pela pista da via da qual vai sair, respeitadas as normas de preferência de passagem.

Como você pode ver, toda conversão à direita deve ser realizada com o veículo mais à direita possível, deixando o carro bem “fechado” em relação à calçada, a fim de concluir a manobra dentro da mão direcional.

A conversão à esquerda, por outro lado, exige um movimento um pouco maior que o realizado na conversão à direta.

Primeiramente, é necessário direcionar o veículo ao centro da pista para, posteriormente a isso, realizar a conversão de forma mais aberta, como se fosse um movimento em L.

Esse movimento é necessário para que você não invada a pista da contramão no momento em que finalizar a manobra.

 

3 – Estacionamento entre dois carros

Quase que de forma unânime, muitas pessoas temem a baliza nas aulas e exames práticos da autoescola.

Posteriormente a isso, temem e até evitam as situações em que precisam estacionar o veículo entre dois carros.

Mas a verdade é que, com alguns truques bem simples, é possível realizar essa manobra com muita tranquilidade.

Imagine, então, que você está dirigindo seu carro e encontra uma vaga entre dois automóveis.

A primeira medida a tomar é parar o seu carro ao lado do veículo dianteiro e direcioná-lo suavemente mais à frente.

Em seguida, comece a entrar de ré na vaga pretendida.

Quando o farol dianteiro estiver paralelo ao para-choque do carro da frente, você precisa estar enxergando com seu retrovisor o farol esquerdo do carro de trás.

A partir daí é só virar todo o volante no sentido contrário, deslizando a frente do veículo até encaixá-lo perfeitamente na vaga.

Pode ter certeza: a manobra é simples, apenas requer tranquilidade e, claro, prática.

 

Conclusão

Seguindo os passos elencados aqui, certamente você passará a dirigir melhor
Seguindo os passos elencados aqui, certamente você passará a dirigir melhor

Neste artigo, procurei abordar as melhores formas de encarar o trânsito de maneira tranquila e segura.

Isso porque um dos grandes problemas dos condutores iniciantes é justamente o medo de errar e, assim, atrapalhar a fluidez do trânsito.

Mas não se preocupe: o início não é fácil para ninguém e todo mundo já passou por isso.

Portanto, se você estiver amparado por todas as dicas que passei e conseguir manter a calma, certamente não cometerá nenhum erro no volante.

Por fim, deixo aqui minha maior dica: confie em você e no seu potencial. Você já passou por todo o processo burocrático que é retirar a primeira CNH, portanto, você sabe dirigir.

Perca o medo e vá em frente com prudência e cuidado. Se cada um fizer a sua parte, o trânsito será bem mais seguro para todos.

Aprenda Como Fazer Retorno, Conversão e Estacionamento em Segurança
Esse texto te ajudou?