Refinanciamento de Veículos: Tudo o Que Você Precisa Saber

Você já ouviu falar em refinanciamento de veículos?

Certamente, sobre financiamento você já deve ter escutado muitas vezes ou até mesmo pode ser que tenha comprado seu carro ou sua moto por meio de empréstimo financeiro.

Isso é absolutamente normal, visto que não é sempre que se pode adquirir um veículo à vista.

No entanto, meu foco neste artigo é o refinanciamento de veículos.

Essa é uma modalidade de empréstimo. Porém, é interessante saber em quais situações o refinanciamento é a opção mais adequada.

Além disso, é importante estar ciente do que é preciso fazer para refinanciar um veículo e como isso acontece.

Se você se interessou pelo assunto e deseja saber mais sobre refinanciamento de veículos, não deixe de fazer a leitura deste conteúdo até o final.

Tipos de Empréstimos

Solicitar empréstimo a alguma instituição financeira é um meio para conseguir adquirir algum bem ou quitar uma dívida que esteja em aberto.

Como eu falei para você na introdução deste artigo, o refinanciamento de veículos é uma modalidade de empréstimo oferecida pelas agências financeiras.

No entanto, decidi apresentar os tipos mais conhecidos de empréstimo de forma breve para que você possa entender melhor as características de cada um.

Uma das modalidades mais comuns de empréstimos é o empréstimo pessoal. Esse tipo de empréstimo deve ser solicitado aos bancos por meio de assinatura de contrato com a instituição.

A pessoa interessada nessa modalidade precisa entregar documentação para análise para que o contrato seja aprovado.

Outro tipo disponível é o empréstimo consignado. Nessa modalidade, o limite para o pagamento das parcelas é de 30% do salário do requerente.

A taxa de juros cobrada nessa modalidade é menor quando comparada à anterior. Porém, a desvantagem é que o pagamento é realizado por desconto em folha.

Existe, ainda, o empréstimo rotativo. Esse tipo de empréstimo é utilizado em casos nos quais não é possível pagar o valor total da fatura do cartão de crédito.

Assim, o banco paga o valor restante e cobra por esse serviço nas faturas seguintes. O problema é que, normalmente, os juros cobrados nessa modalidade são muito altos, fazendo com que o ideal seja evitar entrar no rotativo.

A partir de agora, é interessante focar no refinanciamento de veículos, um tipo específico de empréstimo que merece nossa atenção. Por isso, leia o tópico a seguir.

 

O Que é e Como Funciona o Refinanciamento de Veículos

Essa é uma alternativa para quando se precisa de crédito

O refinanciamento de veículos é uma modalidade de crédito concedida por muitos bancos e outras instituições financeiras.

Nesse tipo de empréstimo, o interessado deve deixar seu veículo como garantia para a concessão do crédito.

Isso porque o credor poderá ficar com o veículo caso as prestações do empréstimo não venham a ser pagas.

Desse modo, podemos dizer que o veículo fica alienado à instituição e, somente após a quitação do refinanciamento, deixa de estar à disposição do banco.

É importante ressaltar que, apesar de estar alienado, o veículo refinanciado não deixa de ser posse de quem solicita o empréstimo.

No entanto, enquanto as parcelas estiverem em aberto, o banco tem autorização para vender o veículo caso o pagamento não seja realizado, de modo a quitar o valor não pago.

Outra informação relevante a respeito do refinanciamento de veículos é que o dinheiro emprestado pela instituição financeira não é concedido apenas para quitar financiamento de carros ou motos.

Assim, você pode refinanciar seu veículo para conseguir dinheiro para sanar sua necessidade financeira, seja ela qual for.

 

Exigências Para o Refinanciamento de Veículos

Caso você esteja interessado em refinanciar seu veículo, é importante saber quais são as exigências que o banco pode fazer.

Primeiramente, saiba que o refinanciamento pode ser feito se seu veículo já tiver sido quitado ou não. Assim, se você comprou um veículo financiado e não acabou de pagar as prestações, é possível refinanciá-lo, até mesmo para quitar o financiamento.

Ao entrar em contato com a instituição com a qual você pretende fazer a negociação, verifique quais são os documentos exigidos. A seguir, listo a documentação que o banco poderá solicitar:

Cabe salientar que nem todas as instituições irão exigir todos os documentos listados acima. Por isso, não estranhe caso algum deles não seja pedido para você ou caso a instituição peça algo que não consta nessa lista.

Para refinanciar um veículo, é preciso que ele esteja no nome de quem for fazer a solicitação do empréstimo.

Outro ponto importante refere-se ao tempo do veículo. Isso porque não costuma ser aceito veículo com mais de 10 anos de fabricação.

Além disso, o tempo do veículo e seu valor de venda costumam ser determinantes para a definição do valor a ser emprestado para o cliente. Normalmente, o valor liberado para empréstimo varia entre 70% e 80% do seu veículo.

 

Procedimento Para Refinanciar Veículos

Chegou a hora de entender como funciona o procedimento de refinanciamento

Agora que você já sabe quais são as exigências para solicitar empréstimo por meio do refinanciamento de veículos, chegou a hora de entender como funciona o procedimento de refinanciamento.

Conforme já comentei neste artigo, é possível refinanciar um veículo cujas prestações não tenham sido quitadas.

Essa modalidade de obtenção de crédito assemelha-se à alienação fiduciária. Por isso, é tão importante garantir que as parcelas poderão ser pagas em dia, para não correr o risco de ficar sem o seu veículo.

Para solicitar o empréstimo, é necessário procurar alguma instituição financeira que realize esse tipo de negociação. Alguns bancos, por exemplo, disponibilizam simuladores na internet.

De qualquer modo, o contato com a instituição é indispensável, até mesmo porque será necessário entregar a documentação já listada para análise.

Após realizar a análise, a instituição poderá conceder algumas condições de empréstimo. A primeira delas já foi dita neste artigo, a qual se refere ao valor de até 80% do que vale o veículo a ser refinanciado.

Além disso, o valor emprestado pode ser parcelado em até 48 vezes e a taxa de juros, provavelmente, será a menor dentre as modalidades de empréstimo disponíveis no mercado.

Caso você pretenda refinanciar um veículo alienado, a instituição financeira poderá conceder o empréstimo, porém, com uma especificidade: parte do valor emprestado deverá ser usada para quitar o financiamento em aberto.

Dessa forma, se você receber 15 mil do banco, mas estiver devendo 5 mil do financiamento do veículo, você terá acesso a 10 mil do empréstimo, pois a instituição utilizará o dinheiro concedido para pagar o valor que falta.

É importante saber que o veículo não pode ter muitas parcelas em aberto para que a instituição autorize o refinanciamento. Veículos cuja dívida ainda seja muito alta não costumam ser aceitos pelas instituições.

Com isso, é adequado entrar em contato com a instituição à qual o seu veículo está alienado e solicitar informação sobre o valor que falta a ser pago para a quitação do financiamento.

 

Vantagens e Desvantagens do Refinanciamento de Veículos

Coloque na balança os prós e contras do refinanciamento e decida se essa é a melhor opção para você

Como praticamente tudo na vida, o refinanciamento de veículos possui vantagens e desvantagens. Por isso, é importante analisar bem os dois lados para decidir se essa é a opção ideal para você.

Uma das principais vantagens do refinanciamento de veículos, a qual faz com que essa opção seja mais atrativa que as outras, é a taxa de juros mais baixa.

Como o veículo é dado como garantia em caso de não pagamento das parcelas, os credores podem oferecer crédito com menos incidência de juros, visto que poderão ficar com o automóvel para recuperar a quantia não paga.

Se formos comparar o refinanciamento com outros tipos de empréstimo, como o pessoal, por exemplo, encontraremos uma porcentagem menor de juros no caso do refinanciamento. Se a comparação for feita com o empréstimo rotativo, então, a diferença é ainda maior.

Outro ponto vantajoso desse tipo de empréstimo é a possibilidade de parcelar a dívida em um maior número de vezes.

O Banco Central autoriza o parcelamento em até 60 vezes para o refinanciamento. No entanto, como as condições podem variar de acordo com cada instituição financeira, o parcelamento oferecido varia entre 48 e 60 vezes.

Mais uma vantagem que merece destaque é a possibilidade de usar o dinheiro emprestado pelo banco para qualquer finalidade, conforme já foi sinalizado anteriormente.

Isso é algo que agrada a quem precisa de dinheiro para pagar dívidas, por exemplo, pois essa modalidade de empréstimo não está ligada à aquisição de um bem específico, como acontece em outras modalidades.

As desvantagens do refinanciamento de veículos consistem em algumas limitações já comentadas neste artigo, como o fato de não serem aceitos veículos com tempo de fabricação superior a 10 anos.

Além disso, já que o valor a ser liberado pelo credor depende, entre outros critérios, do estado de conservação do veículo, pode ser que o valor emprestado não seja muito alto, caso o veículo tenha algum problema.

Não podemos esquecer que o banco, caso seja necessário, terá que vender seu veículo para levantar a quantia necessária para pagar a dívida se você não puder fazer o seu pagamento.

Assim, se o valor de venda do seu veículo for baixo, a instituição pode sair em desvantagem caso não consiga o valor suficiente para quitar a dívida.

No entanto, uma das principais desvantagens do refinanciamento de veículos não diz respeito diretamente ao empréstimo, mas, sim, a uma possível negociação que você pretenda fazer com seu automóvel.

Para vender um carro que estiver com financiamento em aberto, existem 2 possibilidades, o que pode causar dificuldades na hora de encontrar um comprador.

Isso porque será necessário encontrar alguém disposto a comprar o carro à vista para que o dinheiro da venda seja utilizado para quitar as parcelas, ou alguém disposto a assumir o financiamento e encarar a burocracia necessária.

 

Dúvidas Comuns

Chegou o momento de resolver algumas questões acerca do refinanciamento de veículos.

Até agora, tentei trazer o máximo possível de informações sobre essa modalidade de empréstimo, mas sei que pode ser que você tenha outras dúvidas além do que já foi comentado.

Por isso, leia com atenção as respostas às perguntas abaixo.

 

Vale a pena refinanciar um veículo?

Antes de fechar qualquer negócio, é normal que nos perguntemos se a atitude a ser tomada vale, realmente, a pena.

Para esse questionamento, posso dizer que o principal é analisar sua situação para saber se refinanciar seu veículo é algo vantajoso.

Em todo caso, para quem está precisando de dinheiro de forma menos complicada, essa é uma boa opção.

Porém, certifique-se de que poderá pagar todas as prestações em dia para não correr o risco de perder seu bem.

 

Como fechar uma boa negociação

O primeiro passo a ser dado é verificar se a instituição com a qual você pretende negociar é de confiança. Além disso, é preciso ver, ainda, se a avaliação do seu veículo será feita pela Tabela Fipe.

Pesquisar mais de uma instituição, de modo a conhecer propostas diferentes, é indispensável, pois essa é a forma de escolher a opção mais vantajosa para a sua situação.

Outro ponto ao qual é necessário prestar atenção diz respeito à venda casada. É proibido, em lei, obrigar o cliente a aderir qualquer serviço além do empréstimo solicitado. Se isso acontecer com você, não aceite.

Resumindo, não feche qualquer acordo “no escuro”. Preste atenção e procure estabelecer contato de forma mais clara possível para evitar dores de cabeça.

 

É possível refinanciar um veículo estando com restrições no CPF?

Se você possui restrições em seu CPF, ou seja, está com o nome na lista de devedores do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) ou do Serasa, é necessário saber que suas possibilidades de crédito são reduzidas.

Infelizmente, pode ser que as instituições não aprovem sua solicitação para o refinanciamento de veículos. Isso porque poderão considerar que existam chances de que você não consiga pagar, já que está com outras dívidas pendentes.

Sendo assim, o ideal é tentar negociar suas dívidas antes de solicitar o refinanciamento para limpar seu nome.

No entanto, se não for possível resolver essa situação, talvez seja adequado tentar outras linhas de crédito, como o empréstimo consignado.

Apesar de apresentar taxa de juros maior e condições menos atrativas, nesse tipo de empréstimo, é possível conseguir crédito mesmo estando com restrições em seu CPF.

 

É feita análise de crédito para a concessão de refinanciamento?

Assim como foi feito quando você solicitou o financiamento, seu score será analisado para refinanciar o veículo

De acordo com a resposta da pergunta acima, acredito ser possível imaginar qual seria a resposta para essa dúvida.

Com isso, é importante saber que seu score será analisado antes que o refinanciamento seja concedido.

Isso significa que a instituição financeira utilizará os mesmos critérios de análise de crédito para liberar o refinanciamento que utilizaria para outras modalidades de empréstimo.

Por isso, não se pode considerar que, por você estar disponibilizando seu carro ou moto como garantia, o banco irá emprestar o dinheiro que você solicitar.

 

Como funciona a portabilidade de financiamento?

Muitas vezes, o valor a ser pago pelas prestações de um financiamento passa a ser um verdadeiro peso a ser carregado.

Mas o que fazer quando isso acontece? Certamente, não é a intenção entrar em um financiamento para se complicar no futuro.

Desse modo, algo que pode ser considerado positivo para quem entrou em um financiamento, seja ele de veículo, imobiliário, entre outros, é a possibilidade de fazer a portabilidade de crédito.

Essa operação permite, ao cliente, trocar de banco durante o pagamento do financiamento. Isso pode ser feito para aproveitar as taxas de juros da outra instituição caso sejam menores.

A portabilidade de financiamento é interessante, pois estimula a competitividade entre os bancos, de modo que eles busquem oferecer condições de pagamento melhores para que seus clientes não venham a ter interesse em mudar de instituição.

Caso você esteja sentindo que o seu financiamento se tornou algo inviável, pesquise as taxas de juros de outras instituições e não deixe de entrar em contato com a que você estiver interessado em negociar.

O contato é importante porque o Banco Central não obriga nenhuma instituição a aceitar a portabilidade. Assim, informar-se pode evitar que você perca tempo indo ao banco para ouvir um “não” imediato como resposta.

Além disso, é muito importante conversar com o banco com o qual você negociou o financiamento. Você pode mencionar seu interesse em fazer a portabilidade da sua dívida e, assim, pode ser que seu banco se interesse em renegociar para manter o acordo feito com você.

Antes de trocar de banco, analise o Custo Efetivo Total (CET), além da taxa de juros, pois pode ser que o banco cobre mais caro por outras taxas e, dessa forma, você saia perdendo com a portabilidade.

Outra parte importante do processo de troca de banco é solicitar, à instituição com a qual você tem a dívida, o valor que ainda precisa ser pago. Afinal, você vai precisar fornecer essa informação ao novo banco.

 

Qual a melhor opção: refinanciamento ou portabilidade?

Imagino que você possa estar se perguntando qual das duas alternativas, entre refinanciamento de veículo e portabilidade de crédito, é a melhor para o seu caso.

As duas opções proporcionam a possibilidade de pagar valores mais justos em seu financiamento, com a redução da incidência de juros.

Mais uma vez, aconselho que você analise sua situação. Calcule a dívida e veja se não pagará mais se decidir trocar sua modalidade de financiamento ou negociar com outro banco.

Acho relevante dizer que buscar auxílio de profissionais capacitados pode ajudar muito. Isso porque nem sempre é possível compreender os cálculos que devem ser feitos.

Além disso, um profissional poderá ajudá-lo a interpretar o contrato assinado com a instituição financeira.

Por sinal, é muito importante saber que existe a possibilidade de solicitar a revisão do contrato. Essa prática é chamada de ação revisional.

 

O que é ação revisional?

Está desconfiando que os juros do seu empréstimo são abusivos? Então, conheça a ação revisional.

Ação revisional é o processo judicial ao qual o consumidor tem direito em caso de incidência de juros abusivos, bem como de impossibilidade de interpretação das cláusulas contratuais.

O principal objetivo de quem entra com a ação revisional é diminuir o valor das prestações de um financiamento.

No entanto, é necessário saber que não é tão simples fazer com que as parcelas sejam reduzidas, pois é preciso provar que as taxas de juros estão em desacordo com a média do mercado.

Além da revisão dos juros, é possível reavaliar a cobrança de outras taxas cobradas pela instituição financeira, pois não somente os juros podem ser abusivos.

Dessa forma, caso a taxa de juros não esteja inadequada, mas as demais tarifas tenham de ser recalculadas, o valor final do financiamento pode ser afetado, levando a sua diminuição.

Para entrar com o processo de ação revisional, é importante procurar um advogado que saiba a melhor forma de provar que seu contrato precisa ser revisado para que o processo não seja considerado aventura jurídica.

Quando o cliente consegue ganhar a causa, passa a pagar prestações com valores mais justos por meio de depósitos judiciais.

 

Conclusão

Agora, cabe a você analisar se o refinanciamento de veículos é o tipo de empréstimo que fica melhor para resolver o seu caso

Neste artigo, você viu o que é e como funciona o refinanciamento de veículos.

Procurei trazer informações relevantes a respeito das exigências para refinanciar veículos e como proceder para fazer a melhor negociação.

Não deixe de analisar as propostas das instituições financeiras antes de assinar qualquer contrato, pois você estará alienando seu veículo à instituição escolhida.

Além disso, para não correr o risco de perder seu bem, procure pagar todas as prestações em dia, pois o banco poderá ficar com o veículo se você não puder concluir a dívida.

Espero ter conseguido tirar as principais dúvidas que você tinha sobre o assunto.

Mas, antes de finalizar, gostaria de lembrar que você pode recorrer de qualquer multa de trânsito e, se quiser contar com auxílio de profissionais, pode falar comigo.

Nas 3 etapas do recurso – Defesa Prévia, JARI e CETRAN –, você terá chances de reverter a situação e evitar arcar com as consequências trazidas pelas penalidades previstas no Código de Trânsito.

Envie cópia do Auto de Infração ou da Notificação de Autuação para [email protected] ou ligue para 0800 6021 543.

Não se esqueça de compartilhar este artigo e deixar seu comentário.

Refinanciamento de Veículos: Tudo o Que Você Precisa Saber
5 (100%) 2 votes