É Possível Contratar Seguro Para Carros Rebaixados?

Existe seguro para carros rebaixados?

Esse questionamento é sempre motivo de muitas discussões em minhas plataformas de comunicação.

Seja nos comentários aqui nos artigos do site, em minha Fanpage ou em demais perfis que mantenho na internet, são muitos proprietários de carros que surgem com esse questionamento.

Isso porque, apesar do desejo de modificar o veículo, muitos ficam com bastante receio de realizar esse tipo de mudança.

Muitos porque sabem que nem todos os lugares realizam esse tipo de serviço de maneira eficaz, o que é importante já que modificações como essa devem seguir e cumprir uma série de exigências.

Mas você sabe quais motivos levam alguém a rebaixar o seu veículo?

Saiba que essa prática acontece já há muito tempo. Mais precisamente, um pouco depois da virada para o século XXI.

Os motivos para isso podem ser os mais variados, mas, com certeza, os filmes de Hollywood têm papel fundamental nisso.

Ao assistir, nas telas do cinema, carros que, além de velozes, eram modificados ao ponto de se destacarem dos demais automóveis, muitos proprietários de veículos alimentaram o sentimento de também tornar o seu carro o mais próximo possível de sua personalidade.

Essa discussão se tornou ainda mais presente no ano de 2008, quando o Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) publicou a Resolução n° 292, permitindo, aos proprietários, certas modificações em seus veículos.

Neste artigo, eu apresentarei a você o que é a suspensão do seu veículo e qual a sua importância para o seu funcionamento.

Você também ficará sabendo quais especificações a Resolução n° 292 apresenta ao se referir ao rebaixamento de veículo.

Também explicarei como são realizados os seguros para veículos.

Além disso, apresentarei a você uma segunda alternativa, bastante utilizada por proprietários de veículos modificados, para manter o carro seguro.

Ficou curioso?

Então, continue a leitura do artigo!

Saiba a Importância da Suspensão de Seu Veículo

Entenda a importância do sistema de suspensão de seu veículo

Você que é motorista deve saber que um dos problemas enfrentados por condutores de veículos diz respeito às condições das ruas e estradas do País.

Não é incomum, ao dirigirmos, nos depararmos com buracos enormes que, dependendo das condições de nossos veículos, poderão até mesmo contribuir para a ocorrência de acidentes.

Normalmente, quando nos deparamos com esses problemas, automaticamente pensamos que são decorrentes da má administração das estradas. E, de fato, é quando esses problemas não são solucionados.

Entretanto, saiba que o surgimento de buracos em vias públicas acontece por alguns fatores, sendo um deles o clima, já que, em áreas em que o clima pode chegar a temperaturas extremamente geladas, por exemplo, esse problema é bastante comum, assim como em lugares que passam por longos períodos de chuvas.

Apenas dois elementos – água e tráfego – são suficientes para que os buracos comecem a se formar.

A água entra em contato com o asfalto quando a vedação acontece de maneira incorreta. Combinado com a passagem de pneus diariamente na superfície, o solo passa a ser corroído.

Com isso, o asfalto acaba perdendo muito da sua estrutura, expandindo-se e causando rachaduras na pavimentação.

Quando, sobre esse solo já corroído, ocorre incidência solar, surgem os buracos.

Mas o que isso tem a ver com a suspensão do seu veículo?

Imagine o desconforto que os ocupantes do automóvel sentiriam caso não houvesse um sistema responsável pela estabilidade do seu veículo?

Mesmo em pequenas distâncias, a menor das ondulações já traria desconforto e perigo a sua segurança.

Afinal, a função da suspensão é dar, ao veículo, estabilidade e dirigibilidade para que o motorista e seus passageiros tenham mais conforto.

Portanto, não é incorreto afirmar que a suspensão é responsável por absorver as irregularidades do solo, como é o caso dos buracos presentes em vias públicas.

Quando você está em um carro com a suspensão em péssimas condições, ou modificada de maneira ilegal, você aumenta o contato do seu veículo com o solo, deixando o seu carro sujeito a derrapar em qualquer curva ou ondulação presente.

Dentre as modificações possíveis, está o rebaixamento de veículos.

Antes de explicar a você detalhes sobre esse processo, é importante que saiba que a legislação brasileira está atenta às modificações realizadas em veículos.

Levando em conta que o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), desde a sua criação, busca pela segurança dos condutores, é claro que não poderiam ser ignoradas as modificações realizadas em veículos.

Em seu art. 98, o Código determina que nenhum proprietário ou responsável pelo veículo poderá ordenar ou permitir que as características originais do veículo sejam modificadas, sem prévia autorização da autoridade competente.

Com isso, o CTB deixa claro que o proprietário de veículo poderá realizar as modificações, se assim desejar, entretanto, deverá solicitar autorização do órgão competente.

E, para rebaixar o veículo, não é diferente.

Antes de explicar a você como manter o seu carro rebaixado seguro, veja o que a legislação de trânsito determina quanto ao rebaixamento de veículo, a seguir.

O CONTRAN Regulamenta o Rebaixamento de Carros no Brasil

A legislação brasileira permite o rebaixamento de veículos

Como eu apontei na introdução do artigo, é a Resolução n° 292 do CONTRAN que atribui novas regras de modificações em veículos no País.

Conforme a Resolução, em automóveis de passageiros, camionetas mistas, caminhonetes de cargas e também as especiais, assim como os utilitários mistos, são permitidas alterações na suspensão.

Porém, no ano de 2014, para esclarecer as determinações sobre as modificações, o CONTRAN publicou a Resolução n° 479, que estabelece, de maneira mais específica, as permissões referentes à suspensão dos veículos, permitindo o rebaixamento.

Um ponto importante dessa resolução é que ela deixa bastante claro, ao proprietário, que serão de sua responsabilidade as modificações realizadas no veículo.

A legislação permite, então, esse tipo de modificação, entretanto, é de responsabilidade do dono do carro, por exemplo, buscar uma oficina mecânica que realize um bom serviço.

O art. 6º, § 1º, incisos I, II e III da referida Resolução traz algumas determinações quanto ao rebaixamento autorizado de carros de passeio, isto é, veículos com Peso Bruto Total (PBT) até 3500 kg.

São elas:

  • o sistema de suspensão poderá ser fixo ou regulável;
  • a altura mínima permitida para circulação deve ser maior ou igual a 100 mm, medidos verticalmente do solo ao ponto mais baixo da carroceria ou chassi, conforme anexo I;
  • o conjunto de rodas e pneus não poderá tocar em parte alguma do veículo quando submetido ao teste de esterçamento.

Com isso, é permitida a utilização de suspensão fixa ou regulável em veículos, diferentemente do que era previsto até então.

Quanto à altura, 100 mm equivale a 10 cm. Portanto, essa é a altura máxima que você, proprietário de veículo, poderá rebaixar o seu carro caso assim deseje.

Mas atenção: antes de procurar uma oficina para rebaixar o seu carro, lembre-se de que o CTB determina que haja uma autorização prévia.

Para isso, você deverá primeiro procurar o Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN) do estado de registro do seu automóvel, único órgão que poderá fornecer essa autorização.

Saiba que, apesar dessa determinação, muitos proprietários acabam realizando a modificação antes de solicitar a permissão, mas isso não deve acontecer.

Apenas após ter esse documento em mãos, você poderá levar o seu veículo para o profissional que vai realizar a modificação.

Entretanto, não pense que os procedimentos acabam após a modificação.

Ao ter o veículo entregue pelo profissional que realizou o rebaixamento, você deverá levar o seu carro para uma Inspeção de Segurança Veicular.

Essa análise deverá ser realizada por uma empresa que tenha autorização do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO).

Ela fará testes de medições em seu veículo, para que seja comprovado o cumprimento das normas no momento da modificação.

Após a inspeção, caso tudo esteja de acordo com o que está estipulado pela legislação, você receberá o Certificado de Segurança Veicular.

Com o certificado em mãos, você deverá retornar ao DETRAN para solicitar os novos documentos do seu veículo.

Dessa maneira, você estará, portanto, circulando com o seu veículo dentro da lei, sem correr o risco de ser apanhado pelas autoridades de trânsito.

Mas, para que você circule, de fato, em segurança, você deverá ter um seguro veicular.

É sobre isso que conversarei com você a seguir.

 

Existe Seguro Para Carro Rebaixado?

Conversar com a seguradora é essencial nesses casos

Visto como um contrato que foi feito para nunca ser usado, o seguro de veículos é uma boa opção para que o proprietário tenha menos prejuízo caso o seu veículo seja roubado, furtado ou danificado ao se envolver em um acidente de trânsito.

Entretanto, ao contrário do que se pensa, os proprietários que optam por ter um seguro veicular não são maioria no Brasil.

De acordo com matéria publicada no Diário do Pernambuco, menos de 30% da população automotiva mantêm um seguro para o seu carro, mesmo com o alto índice de violência.

Talvez você seja um desses motoristas que não utiliza o serviço por pensar que o custo-benefício não vale a pena.

Porém, saiba que o seguro é um investimento importante que poderá solucionar o seu problema caso aconteça algo inesperado com o seu carro.

Mas saiba que eu sei, sim, o quanto é difícil fazer essa escolha, já que as seguradoras oferecem diferentes tipos de coberturas, que muitas vezes não contemplam os seus interesses, muito menos suas condições financeiras.

Um ponto importante a ser pensado antes de decidir ter ou não um seguro de veículo é quais fatores podem ser levados em conta no momento da contratação.

Um proprietário de veículo que reside no interior, em uma cidade pacata, por exemplo, provavelmente, não terá as mesmas preocupações quanto à segurança do seu veículo se comparado com um motorista de uma metrópole.

É claro que roubo e furto de veículos, por exemplo, ocorrem em todas as cidades do país e sempre é bom estar protegido para esse tipo de ocasião.

No entanto, nem sempre os serviços disponibilizados por algumas seguradoras contemplarão exatamente suas necessidades. Então, dedique o seu tempo para avaliar cada tipo de cobertura oferecida. Você, provavelmente, encontrará algum que chegue ao menos perto do que você esperava.

E, caso o seu carro seja rebaixado, saiba que o cuidado deve ser igual. Entretanto, talvez você encontre certa resistência das seguradoras.

Como dito, a legislação permite o rebaixamento de veículos, desde que ele seja realizado dentro do padrão estabelecido pelo CONTRAN.

Entretanto, até mesmo em decorrência de como a sociedade enxerga os motoristas que realizam modificações nos veículos, muitas seguradoras, infelizmente, não realizam mais o seguro para carros rebaixados.

Com isso, caso você, ao rebaixar o seu veículo, já tenha um seguro, fale com a seguradora antes de realizar a mudança.

Esse passo é bastante importante para que você possa saber se poderá ou não contar com a empresa após as modificações realizadas.

Ser sincero é extremamente importante em situações como essa.

Conversando, é possível, sim, que você consiga contratar um seguro para carros rebaixados. Porém, você precisa ser sincero.

É importante comunicar a seguradora sobre quaisquer modificações. Desde as pequenas mudanças, como, por exemplo, a troca do motorista habitual ou a cor da pintura do carro, até as mais significativas, como o rebaixamento da suspensão.

Apesar de o seguro ser visto como um contrato que nunca precisará ser usado, você deve considerar que talvez, em algum momento, a seguradora precise ser acionada.

Imagine você, ao não relatar as modificações, nessa situação?

Caso a empresa entenda como omissão de informação, você poderá até mesmo ficar sem a indenização. O prejuízo seria realmente grande, não é verdade?

Portanto, a dica é: sempre informe à sua seguradora sobre as mudanças realizadas no veículo. Só assim você estará, realmente, seguro para circular com o seu automóvel.

Agora, entenda por que a maioria das seguradoras não aceitam assegurar um veículo rebaixado.

 

Por Que as Seguradoras Negam o Pedido de Seguro Para Carros Rebaixados?

Normalmente, os principais motivos que levam as seguradoras a negarem os pedidos estão diretamente ligados aos prejuízos que esse tipo de veículo poderá gerar à seguradora futuramente.

Muitas argumentam que, ao modificar as peças originais do veículo, os motoristas contribuem consideravelmente para o aumento dos riscos de acidentes de trânsito, o que, por sua vez, elevaria o valor da apólice do contrato.

As seguradoras também argumentam que as peças modificadas poderão gerar uma dificuldade no momento de medir o valor do conserto do veículo, caso aconteça algum sinistro.

Como não poderia ser diferente, e como acontece em todos os casos, as seguradoras levam também em consideração o perfil dos motoristas no momento de apresentarem os valores dos seguros cobrados.

Portanto, como eu já citei, é socialmente esperado que os motoristas de carros rebaixados conduzam os seus veículos de maneira mais arriscada, contribuindo para que acidentes de trânsito possam acontecer.

Com essas informações, você já pode perceber que o motorista que opta por rebaixar o seu veículo terá dificuldades para contratar um seguro para carros rebaixados.

Mas como eu sei que para os amantes de veículos automotores a paixão fala mais alto que os obstáculos que surgem pelo caminho, abaixo, apresentarei a você uma opção que vem ganhando o mercado e tendo muitos adeptos: o rastreador veicular.

Confira!

Rastreador Veicular – Saiba o Que é e Como Funciona

Entenda como o rastreador veicular poderá proteger o seu veículo

Antes de começar a explicar para você o que é o rastreador veicular, saiba que eu sei que ele não será capaz de contemplar tudo o que um seguro completo normalmente oferece.

Porém, é inegável o fato de que a violência é uma das principais causas de contrato de seguros no Brasil.

No estado de Santa Catarina, por exemplo, de janeiro a setembro de 2018, foram registrados 9.574 furtos e roubos de carros no estado.

Com isso, fica claro que um dos principais medos dos proprietários de veículos deve ser o receio de tê-lo furtado ou roubado.

Desse modo, o rastreador é uma ótima opção para quem tem o seguro para carros rebaixados negado.

Sendo aparelhos pequenos, que emitem sinais por meio de antenas, os rastreadores são equipamentos de geolocalização que, ao serem instalados, são capazes de avisar o proprietário quanto ao local em que o seu veículo está estacionado ou circulando.

Quanto à escolha do tipo de rastreador, assim como acontece com o seguro veicular, dependerá das suas necessidades.

Se você circula com o seu veículo dentro de uma área de cobertura regional, como os grandes centros, é indicado que você utilize, por exemplo, os aparelhos com sistema de radiofrequência.

Agora, se você gosta de viajar com o seu veículo, seja a lazer ou a trabalho, o mais indicado é que você use os aparelhos que funcionam com o sistema GPS.

Algumas seguradoras, inclusive, oferecem esse serviço.

Com isso, quem sabe, conversando, não é possível que vocês cheguem a um acordo para utilizar o rastreador veicular e mais algum tipo de cobertura que você e a seguradora se sintam seguros? Vale a pena tentar!

 

Conclusão

Seu carro rebaixado tem seguro?

Neste artigo, você ficou sabendo que a legislação brasileira permite o rebaixamento de veículos, desde que o proprietário cumpra as medidas estabelecidas em lei.

Também expliquei a você qual a importância da suspensão do seu carro, e como ela é capaz de tornar o trajeto confortável e seguro, tanto para você quanto para seus passageiros.

Você também aprendeu que, antes de rebaixar o veículo, deverá pedir permissão ao Departamento de Trânsito do estado em que você reside.

Outro ponto bastante importante explicado neste artigo é a importância de, ao realizar modificações em seu veículo, comunicá-las a seguradora.

Você deve sempre avisar a seguradora sobre eventuais mudanças, para que seu direito à indenização em caso de sinistro não seja afetado.

Por fim, apresentei a você o rastreamento veicular, que poderá ser uma opção caso não consiga entrar em acordo com alguma seguradora após realizar o rebaixamento do seu veículo.

Ficou com alguma dúvida? Não deixe de comentar abaixo!

Sua opinião é importante para mim!

Além disso, se a leitura deste artigo o ajudou, que tal compartilhá-lo com outras pessoas?

Assim, elas também saberão se existe seguro para carros rebaixados.

Foi multado? Não fique sem dirigir! Descubra agora como não perder a CNH: Clique aqui para ter uma CONSULTA GRATUITA com o Doutor Multas.
Você já possui seguro? Proteja seu patrimônio e dirija tranquilo. É muito mais barato do que você imagina: Clique aqui e cote seu seguro GRATUITAMENTE em 2 minutos.