Seguro Para Carros Antigos: Saiba Como Proteger seu Carro Gastando Menos

Enquanto alguns motoristas não abrem mão de dirigir veículos mais modernos, outros preferem manter um estilo mais clássico.

Embora o mercado automobilístico invista em trazer novos modelos de automóveis, muita gente mantém sua paixão pelos carros antigos.

Porém, não é tão simples cuidar de um carro fabricado há muitos anos.

Provavelmente, você já ouviu falar que é difícil encontrar um seguro para carros antigos.

De fato, a maioria das seguradoras resiste a aceitar assegurar veículos mais antigos, por conta da dificuldade de restaurá-los.

Se você está tendo problemas para proteger o seu carro, acompanhe este artigo até o final.

Nele, você entenderá por que é tão difícil encontrar um seguro para carros antigos, saberá como contratar um sem gastar tanto e, ainda, conhecerá algumas empresas que oferecem esse tipo de seguro.

Boa leitura!

 

Como Funciona o Seguro Veicular

Podemos resumir o seguro veicular como uma medida de proteção aplicada ao veículo.

Quem dirige com frequência sabe o quão comum é ter problemas com o carro, sobretudo com os mais antigos.

Problemas mecânicos, acidentes causados por si ou por terceiros, tentativas de roubo ou de furto, enfim. Há muitas avarias que podem atingir o veículo e deixar seu proprietário na mão.

Para que isso não aconteça e, assim, você possa dirigir tranquilamente, é muito importante pensar em garantir que os possíveis danos ocorridos com o veículo sejam reparados.

Ao contratar um seguro, a sua responsabilidade pelos eventuais contratempos – conhecidos como sinistros – passa a ser compartilhada com a seguradora, empresa que fornece a medida de segurança.

Algumas pessoas acreditam que o pagamento mensal do seguro é suficiente para ter qualquer problema com o veículo resolvido integralmente.

No entanto, não é bem assim.

Isso dependerá do acordo firmado entre as partes, ou seja, do que consta na apólice de seguro.

A apólice é o contrato do seguro. É um documento que abrange todas as condições e regras estabelecidas entre a seguradora e o assegurado.

Por ser um contrato, esse documento formaliza a negociação entre as partes, de modo que tanto a seguradora quanto o assegurado tenham de arcar apenas com o que foi firmado na contratação.

Isso significa que, para ter todos os danos ocorridos com o veículo absolutamente ressarcidos, é preciso que tal necessidade seja firmada no contrato.

Sem falar que algumas seguradoras podem não atender a todos os requisitos. Algumas oferecem planos bem completos, enquanto outras contam com coberturas mais simples.

Além disso, também há a franquia de seguro, a qual deve ser paga em caso de sinistro com o veículo.

E o valor dela corresponde ao tanto que deverá ser pago quando houver um sinistro.

Se, ao firmar contrato com a seguradora, a sua franquia ficou estabelecida em R$1.000, por exemplo, essa é a quantia que você deverá pagar quando o seu veículo for afetado por algum problema que precise ser reparado.

Vale ressaltar que a franquia só entra em cena em caso de sinistro.

No geral, apenas o valor do seguro é pago mensalmente, sendo obrigatório mesmo nos meses em que você paga a franquia.

Que há seguradoras no mercado, você certamente já sabe.

A questão é que a maioria das pessoas tem dificuldade de encontrar uma que queira assegurar um veículo antigo sem cobrar tanto por isso.

A explicação para o fato de isso acontecer, você encontrará na seção seguinte.

 

Por Que é Difícil Contratar um Seguro Para Carros Antigos?

Entenda o que acontece

A primeira dificuldade experienciada pelo proprietário de um carro antigo é, justamente, achar uma seguradora que aceite assegurar veículos fabricados há mais de 10 ou de 15 anos.

A segunda é não gastar tanto dinheiro ao contratar o seguro.

Isso porque, quando a seguradora aceita assegurar automóveis antigos, a cobrança da franquia costuma ser bem alta.

Se pararmos para pensar, é grande o risco de a seguradora ter prejuízos ao firmar o seguro para carros antigos.

Os modelos de carros antigos, na sua maioria, não são mais fabricados.

Desse modo, é um desafio encontrar peças de reposição para conserto desses automóveis. E, quando se encontra, por outro lado, o preço não é agradável.

Também não podemos nos esquecer de que, apesar de parecer o contrário, carros clássicos são muito visados para roubo e furto, por serem raros.

O próprio fato de quase não haver peças de reposição no mercado contribui para o aumento do índice de roubo dos carros desse tipo.

Além disso, as seguradoras levam em consideração a maior probabilidade de ocorrer sinistros com os veículos mais antigos, devido ao tempo de uso.

E ainda há mais um motivo responsável pela dificuldade de encontrar um seguro: a falta de base para calcular o valor da apólice.

Carros muito antigos não constam na tabela de preços médios de veículos vendidos em território nacional (Tabela FIPE).

O problema é que as seguradoras tomam como base o preço de venda do veículo para calcular o valor do seguro.

Todos esses fatores fazem com que a maioria das seguradoras tenha receio de enfrentar os problemas que podem surgir.

Mesmo assim, deixar seu carro desprotegido não é uma boa ideia, considerando todas as adversidades que podem ocorrer enquanto você estiver ao volante.

Em vista desse pensamento, muitas pessoas acabam optando por pagar um valor mais alto, em troca da tranquilidade de ter o veículo seguro.

Porém, eu sei que essa não é uma possibilidade para todos os proprietários de carros antigos, principalmente porque os valores cobrados para cobrir esses veículos costumam ser nada atraente.

Pensando nisso, na seção seguinte, mostrarei a você alguns truques que ajudam a diminuir o custo do seguro para carros antigos.

É possível contratar um seguro para carros antigos sem gastar tanto?

Saiba como economizar na contratação do seguro

A boa notícia é que existem meios de diminuir o valor cobrado pelas seguradoras, começando pela instalação de equipamentos de segurança no automóvel.

Quanto mais acessórios de proteção, mais seguro estará o automóvel contra roubos e furtos e, por consequência, menos risco de ser necessário acionar o seguro contratado.

Os bloqueadores, por exemplo, têm a função de travar a ignição e também a bomba de combustível caso o alarme do veículo dispare.

Alguns modelos desse equipamento, inclusive, acionam automaticamente uma mensagem que informa, à central de monitoramento, que o veículo está sendo furtado.

Os rastreadores e os localizadores também são boas opções pra quem quer garantir mais segurança ao seu carro.

Ambos têm função parecida: informar a localização do veículo roubado ou furtado.

A diferença entre os dois equipamentos é que o localizador só informa a localização do carro ao ser acionado.

Já o rastreador possui um histórico de armazenamento de circulação do carro, ou seja, informa qual caminho o veículo percorreu após o ocorrido.

Isso permite que o próprio motorista possa saber onde o veículo foi furtado e os locais por onde passou.

Obviamente, o rastreador tem um custo mais elevado do que o localizador, mas, sem dúvida, facilita na busca pelo carro.

Para economizar nesse ponto, verifique se alguma das suas opções de seguradora oferece o seguro com rastreador.

Algumas empresas têm parceria com fornecedoras do equipamento para comercializar a proteção e aumentar o número de pessoas que tem seus veículos assegurados.

Afinal, de acordo com a Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, em média, 70% dos carros não tem nenhum tipo de seguro ou proteção veicular.

Outro dispositivo, inferior aos já citados, mas que também aumenta a proteção do carro é o alarme antifurto.

Os modelos mais modernos desse dispositivo contam com diversos sensores de movimentos e de pressão, que acionam o sinal de alarme, alertando as pessoas ao redor.

Não posso deixar de mencionar que o valor do seguro também depende de outras variáveis.

Para o cálculo, a seguradora levará em conta a análise de risco, que será feita com base na possibilidade de ela ter prejuízos com o seu veículo.

Portanto, o seu perfil enquanto motorista, local onde você reside, local onde o veículo ficará estacionado, estado de conservação do veículo, entre outras particularidades, serão todas avaliadas e consideradas para definir quanto você deverá pagar pelo seguro.

De qualquer modo, é sempre válido buscar possibilidades.

E, como você já deve imaginar, há diversas seguradoras com as quais você pode entrar em contato para simular os valores que serão cobrados pela apólice. No entanto, nem todas cobrem carros antigos.

Aliás, tendo essa informação de antemão, quem sabe você não consegue se planejar e investir em uma boa cobertura?!

Se você não sabe ainda quais seguradoras conhecer, leia a próxima seção deste artigo.

 

Empresas que Oferecem Seguro Para Carros Antigos

Para ajudar você a encontrar um seguro para carros antigos que mais se encaixe nas suas necessidades, apresentarei, a seguir, algumas seguradoras que trabalham com automóveis desse tipo.

A primeira delas é a Azul Seguros.

A seguradora aceita veículos cuja fabricação não ultrapasse 25 anos, desde que o automóvel contenha um dispositivo antifurto, e é conhecida por oferecer coberturas satisfatórias, sem cobrar tanto por isso.

As principais assistências são para colisão, incêndio, roubo e furto. Ainda assim, você poderá contratar coberturas extras, como, por exemplo, para que seu carro seja higienizado em caso de alagamento.

A seguradora presta assistência 24h, fornecendo reboque, chaveiro, troca de pneu, combustível, entre outros serviços.

Para quem possui cartão de crédito Porto Seguro, a Azul Seguros concede 3% de desconto na contratação ou na renovação do seguro para carros.

Além de tudo isso, a cobertura de terceiros é incluída na contratação do seguro, ou seja, você não precisará pagar uma quantia extra para ter um seguro mais completo.

O Banco do Brasil também entra para a lista, com a seguradora BB Seguro Auto.

O banco possibilita a contratação do seguro tanto para pessoa física quanto para jurídica e disponibiliza coberturas básicas e garantias adicionais, conforme o tipo de veículo e as necessidades do assegurado.

Também conta com assistência 24h grátis, para todo o Brasil, e ainda parcela o seguro em até 6x sem juros no cartão de crédito (Visa, Mastercard ou Elo), para vigências anuais; e em até 10x sem juros para vigências plurianuais (a partir de 2 anos).

Outra opção dada pelo Banco do Brasil é efetuar o pagamento por débito em conta.

A Liberty Seguros é mais uma da lista de boas opções.

A seguradora cobre veículos com até 25 anos, e oferece assistência 24h, disponível durante os 7 dias da semana.

Além disso, oferece serviços complementares para situações emergenciais:

  1. guincho para transporte até oficina ou residência;
  2. mecânico para conserto provisório;
  3. chaveiro;
  4. troca de pneus;
  5. socorro em caso de falta de combustível.​

Pelo próprio site da Liberty, você pode entrar em contato com um corretor da seguradora na sua cidade.

Basta informar o seu CEP, estado, cidade e bairro para que a plataforma indique corretoras próximas a você.

Também há a Porto Seguro: uma seguradora que assegura veículos com até 19 anos de fabricação.

Uma vantagem legal oferecida por essa seguradora é o atendimento a qualquer hora do dia ou da noite, inclusive, com o serviço de guincho sem limite de quilometragem.

A Porto Seguro conta com dois planos de assistência, os quais não fazem parte do seguro tradicional: o plano Porto Socorro Básico e o Porto Socorro Completo.

O básico tem um limite de 400 km de guincho. Já o completo não tem limite de quilometragem.

Aproveito o gancho para falar um pouco mais sobre o limite de quilometragem estabelecido pelas seguradoras, na próxima seção.

 

Limite de km no Seguro: Como Funciona?

Conheças os tipos de utilização do guincho no seguro

Cada seguradora oferece seus serviços de determinada maneira, ou seja, a cobertura pode variar bastante de uma para outra.

No caso do limite de km, o serviço de guincho, normalmente, conta com mais de um tipo de utilização.

Você pode encontrar a opção que trabalha com um número limitado de utilizações do guincho ao longo do ano.

Digamos que se estabeleça, entre você e a seguradora, um limite de duas vezes para a utilização do guincho, durante todo o ano de vigência do contrato.

Caso haja a necessidade de solicitar o guincho pela terceira vez, o seguro não cobrirá, visto que a quantidade de vezes determinada se esgotou.

É possível, também, que a seguradora imponha, além de um limite de vezes solicitadas, um limite de utilização do guincho por evento.

Assim sendo, mesmo tendo direito ao serviço mais vezes, o assegurado não pode utilizar o guincho mais de uma vez para o mesmo evento.

Outra opção comum é a de quilometragem por evento.

Muitas seguradoras definem um limite de km que pode ser utilizado em cada evento.

Por exemplo, se você tiver direito a 500 km de guincho por cada evento, esse limite se renova a cada ocorrência em que você solicite o serviço, dentro do número de vezes de utilizações de que você dispõe.

Se essa quilometragem não for suficiente para levar o seu veículo até a sua casa ou ao mecânico, algumas seguradoras oferecem a possibilidade de contratar uma quilometragem adicional.

Nesse caso, ela fica responsável por cobrir a quilometragem disponível, de acordo com o contrato, e você se encarrega de pagar um extra pela quilometragem adicional.

É importante mencionar que a quantia a mais pode ser fixa, mas também pode ser calculada com base na quilometragem excedente percorrida.

Outro ponto que merece atenção diz respeito à contagem da quilometragem.

Ao pesquisar e avaliar diferentes seguradoras, verifique se a quilometragem começará a ser contada a partir do local do evento, ou se você perderá km pelo deslocamento do guincho até o veículo.

Na segunda hipótese, considere que a distância percorrida pelo guincho pode acabar esgotando o seu limite muito rápido, fazendo com que você precise de quilometragem adicional.

Aliás, a contratação de serviços extras é mais um tópico que merece atenção. Falarei sobre isso a seguir.

Vale a pena contratar serviços adicionais?

Independentemente da seguradora escolhida, é pouco provável que você não seja apresentado a uma série de serviços adicionais contemplados pelo seguro.

Sem dúvida, quanto mais assistências, mais protegido o seu veículo estará.

E você mais tranquilo por saber que pode solicitar o seguro a qualquer momento para resolver os imprevistos.

Mas será que tanta assistência é mesmo necessária?

Diante do receio de ficar desprotegido, você pode acabar aceitando tudo o que lhe é proposto, sem avaliar sua real necessidade.

O problema é que os valores dos serviços complementares não costumam ser mencionados nos sites das seguradoras e, em alguns casos, nem mesmo no momento da cotação do seguro.

Por impulso, você pode adquirir um serviço extra que, no pacote, custe mais do que se contratado isoladamente.

É importante estar atento, ainda, às especificidades de cada serviço.

Lembre-se de que os serviços adicionais geram custos à seguradora, refletindo no aumento do preço final da cobertura contratada.

Por isso, leia atentamente todas as particularidades da apólice antes de contratar o seguro.

Por fim, vale comparar seguradoras diferentes, pois, tanto os planos quanto os valores, podem variar bastante de uma para outra.

Você pode fazer essa pesquisa na Compara Online, plataforma criada pela Proteste!, inserindo a placa do seu veículo, como pretende utilizá-lo (Particular, Uber, Táxi, Aluguel), se ele ficará estacionado na garagem ou não, seu tipo de pessoa (física ou jurídica), CPF, CEP, celular e e-mail.

Assim, serão apresentadas algumas opções de seguro, e você poderá identificar a que mais se encaixa nas suas expectativas.

 

Conclusão

Existem meios de contratar um bom seguro sem gastar tanto

Neste artigo, além de saber que há seguradoras que oferecem seguro para carros antigos, você viu, também, opções de algumas que asseguram veículos de até 25 anos de fabricação.

Uma boa alternativa para quem não quer ter problemas futuros com a contratação do seguro é manter a renovação do seguro já contratado.

Dependendo da seguradora, mantendo a vigência da sua cobertura, sem interrupções, você consegue permanecer com o seguro, mesmo que a data de fabricação ultrapasse o limite aceito pela seguradora.

Você viu, também, quais fatores influenciam as seguradoras a recusarem assegurar veículos com muito tempo de fabricação.

Por conta disso, o valor do seguro para carros antigos pode ser mais alto do que o valor do seguro tradicional.

Ainda assim, como você viu, existem meios de contratar um bom seguro sem gastar tanto.

Um deles é adicionar artefatos de segurança ao veículo.

Desse modo, diminui o risco de a seguradora ser acionada, o que contribuirá para a diminuição do valor do seguro.

Espero que a leitura deste artigo tenha sido útil para você!

Em caso de dúvidas sobre o assunto, deixe seu comentário.

No mais, se precisar recorrer de uma multa de trânsito, saiba que estou sempre à disposição para ajudá-lo.

Foi multado? Não fique sem dirigir! Descubra agora como não perder a CNH: Clique aqui para ter uma CONSULTA GRATUITA com o Doutor Multas.
Você já possui seguro? Proteja seu patrimônio e dirija tranquilo. É muito mais barato do que você imagina: Clique aqui e cote seu seguro GRATUITAMENTE em 2 minutos.